quinta-feira, 22 de julho de 2010

Cap.3

Cap. 3
A tarde com sua quase cunhada foi muito agradável. O mesmo não aconteceu com a conversa com Fábio no telefone.
Ele reclamou da ausência da garota.
_Você não tem razão no que diz! Foram dias em que eu tinha um monte de coisa pra fazer, eu não estava a toa.
_Eu sei Paula, mas eu queria conversar contigo, esperei muito por isso, é tão melhor te ver pessoalmente e não pela tela do computador.
Paula ficou em silêncio.
_ Mas vamos parar com essa discussão! O que acha de sairmos para comer um lanche?
_Ai Fábio... acho que não vai dar. Saí a tarde toda, meu pai não vai deixar eu sair de novo. Ah... inclusive conheci sua irmã.
O rapaz não esboçou grandes reações.
_ Legal. Bom, vou desligar, já que você não quer sair comigo, vou sair pra comer com algum amigo.
_Não é que não quero, não posso!
_Tchau.
E Fábio desligou. Paula sentiu a sua face avermelhar-se. Ficou com raiva e também.
Se jogou na cama e abraçou “Balu” seu velho ursinho. Vários pensamentos passavam por sua cabeça.
“Porque ele está assim? Nem meu namorado ele é! Será que se namorarmos um dia, ele cobrar mais de mim?”
A porta se abriu.
_ Paulinha? Está dormindo?
_Não, pode entrar Lú.
_ Agente acabou não conversando muito né?
Luciana e Paula eram primas, moravam na mesma cidade mas conversavam mais por computador do que pessoalmente.
Paula sentou-se na cama.
_ Menina! Eu vi o Fábio ontem no casamento! Eu já tinha visto por foto, mas pessoalmente.... maravilhoso!
_É...e ele é bonito sim.
_Ué... que desânimo é esse?
_Discuti com ele agora pouco. Na verdade, desde que cheguei aqui não conseguimos conversar sem brigar.
_Como você consegue brigar com aquele homem perfeito?
_Lú! É sério!
_Tá bom, mas que ele é perfeito, ele é!
_ É, mas se acha dono de mim. Quer que eu fique falando com ele, ligando a todo momento.
_Sei, ele quer que você corra atrás dele, não é?
_É, deve ser... mas é ruim hein que eu corro atrás de homem.
_Ahan, te conheço bem!
_E aí ele fica cheio de mau humor.
Lú cruzou as pernas e continuou prestando atenção.
_Tem coisas que ele não entende. Meu pai regula meus horários e ele quer que eu fique saindo com ele toda hora.
_ Isso tem um nome: diferenças de idade.
_É, pode ser. Acho que talvez isso atrapalhe bastante nosso relacionamento. Às vezes que falo que não posso sair porque meu pai não deixou, ele não acredita! Acha que eu que não estou querendo ir.
_Mas porque seu pai regula tanto assim? A Marina começou a namorar com a mesma idade não foi?
_Ahan! Mas comigo tudo é diferente. A Mari sempre foi a mais responsável da casa. Desde pequena sabia o que queria fazer quando crescer e sempre esteve convicta de suas decisões.
Paula era realmente muito diferente da irmã. Sempre desfrutou dos benefícios de caçula, e era vista ainda por seu pai como uma menininha.
_Meu pai deixou Marina vir pra cá sem pensar duas vezes. Ela sempre foi madura, sempre soube o que queria... agora se eu quisesse vir pra cá... nem precisava pedir, já sei a resposta...
Paula se aborreceu ainda mais. Estava com muitas dúvidas na cabeça. Sua prima Luciana era sua amiga, mas sentiu de Marina, queria conversar com a irmã.
Ela era mais que uma amiga, muitas vezes dava conselhos como uma mãe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário